Todos os posts em

receitas dos outros

bolo-banana-docedeleite-sal-1

bolo de banana com doce de leite e flor de sal

acordei com uma vontade enorme de comer bolo. bolo caseiro. de banana. um bolinho fofinho, um pedacinho, só pra matar a vontade. lembrei que essa semana mesmo eu tinha guardado uma receita de bolo de banana pra testar, lá do hummingbird high. fui fuçando o site pra ver se tinha opções, no que eu me deparo com essa receita de bolo de banana com doce de leite. lembrei do doce de leite que trouxe das férias do uruguai, que compramos de uma senhorinha no meio da estrada e era maravilhoso (e provavelmente acabaria mofando na geladeira). fui ver a lista de ingredientes do que eu tinha em casa, e digamos que faltavam algumas coisas. a chuva caía (não pára de chover há 6 dias!) e a minha preguiça de ir ao mercado comprar um saco de farinha falou mais alto. mas eu queria *muito* o bolinho. resolvi adaptar, um pouco esperançosa que tudo ia dar certo, mas com medinho porque vocês sabem que confeitaria é uma ciência muito exata. a chuva continuava caindo e minha casa …

raanete-assado-dill-feta-4

rabanete assado com dill e feta

há um tempo atrás eu dei de cara com essa receita de rabanete assado no instagram d’a mesa da carolina. rabanete assado, sério? nunca tinha pensado nisso. a receita ficou lá na minha listinha de receitas (que são muitas, me perco, esqueço) e só recentemente eu lembrei de testar. olha, eu sei que rabanete assado pode parecer estranho mas, carolina, obrigada! que delícia! :) por coincidência, cinco minutos antes de escrever esse post ouvi uma mensagem do meu irmão dizendo que legume pra ele é cozido na água e pronto. assim nem eu aguento, gente! meu irmão, eu sei que você não tem tempo, juro que se eu tivesse mais pertinho fazia uns legumes supimpa pra você! mas esse espacinho é pra inspirar as pessoas a cozinharem mais e verem os alimentos de outro ponto de vista. como um rabanete assado, por exemplo. com dill, e feta, cebola e um belo azeite. e assim, misturando as coisas, aprendendo com a nossa experiência e dos outros, a gente vai revendo nosso prato e testando misturinhas que não pensaríamos …

pato-no-tucupi-1

pato no tucupi

essa receita de hoje é muito especial, não é minha e não fui eu que fiz. hoje é o primeiro “francinha convida”. talvez o primeiro e último, talvez o primeiro de muitos. vamos chamar o episódio de hoje de “francinha convida renata”. deixa eu te contar a história de como chegamos até aqui. a renata é minha amiga e uma parte da família dela vem lá de belém do pará. ano passado ela fez um memorável almoço paraense, no qual eu tive a oportunidade de me apaixonar por essa comida esquisita chamada pato no tucupi. eu tava há meses querendo repetir a dose, e a gente passou algum tempo naquela conversa carioca do “vamos marcar”. até que na minha última ida ao rio resolvemos fazer o pato e aproveitamos para fazer o que sabemos fazer de melhor: festa. foram 10 adultos se refastelando, e por essa receita poderiam ter sido 12. porque veja bem, um prato que demora tanto e demanda tanto pra ser preparado não pode ser consumido por uma criatura apenas, é justo com …

sopa-salmao-thai-8

sopa de salmão thai

minha amiga gabriela mora lááá na noruega, numa cidade super fofa chamada bergen. lá na noruega, muito diferente do que estamos habituados por aqui, as pessoas comem muito mais em casa. elas fazem sua própria comida, elas recebem os amigos, fazem seu próprio pão, fazem churrasco no verão, almoçam sanduíche aberto. mas comer fora é numa proporção muito menor do que fazemos por aqui, principalmente porque comer fora lá é bem caro (e também por eles gastam tudo em birita. brincadeira). outro dia a gabriela comentou que lá os peixes “disponíveis” são salmão, bacalhau, truta e ponto. parece que os outros peixes vão direto pra outros canais de venda, e os pequenos produtores/feirantes não têm tanta variedade. não é que nem aqui que a gente vai na feira e tem 587 tipos de peixe. então haja inspiração pra se virar com 3 opções, né? mas por outro lado, existem muitas variações desse mesmo tema. eu nunca tinha visto tanto salmão na vida! só pra ilustrar, as fotos de frutos do mar desse post foram tiradas no mercado de peixe …

bolo-limao-alecrim-1

bolo de limão com alecrim

tem receita aqui, quietinha, esperando pra aparecer e conquistar o mundo. elas virão, eu prometo. é que veja bem, os dias andam corridos e acabando rápido. quando vi, já foi e ainda não deu tempo de fazer tudo. é fase, vai passar. quando acabar eu vou fazer outro bolo desse pra comemorar. pra comer uma fatia (ou duas) tomando um cafezinho, sem plano, com o pé pra cima, olhando a nuvem passar. vai ser bem assim, e esse bolo vai abraçar meu descanso e o dia vai ter mais tempo. enquanto esse dia não vem, venho aqui te dar essa receita que eu achei no site da minha ídola master what katie ate. eu queria ser amiga da katie. também queria ser amiga do robert downey jr., mas não sei se ele cozinha. e além disso eu me identifico fortemente com a katie, que era designer e virou fotógrafa e receiteira das comidas mais lindas ever! eu também era designer, se você não sabia. não que dê pra pessoa parar de ser designer, porque o …

sal-himalaia-aromatizado

sal do himalaia com limão siciliano e tomilho

faltam 9 dias pro natal e eu tô de mini férias. passei a tarde na praia, olhando a onda ir e voltar. fiquei pensando como é “engraçado” que nessa época do ano rola uma efusão de posts natalinos, várias contagens regressivas e listas e mais listas de receitas e ideias para mesa e presentes e ufa!!! a galera passa o ano pedindo pizza, não liga pra ninguém, e de repente tem que cozinhar pra um batalhão e comprar 587 presentes. e daí eu fiquei bem feliz que eu tô na praia, e ainda faltam 9 dias pro natal. vou lidar com ceia e preparações e ideias para a mesa daqui a alguns dias, até lá ainda tem muita praia pra curtir! :) em relação aos 587 presentes, eu prefiro fazer alguma coisa diferente e que tenha um pouco mais de significado. eu sei que pode dar um trabalhinho, mas é muito mais legal dar alguma coisa que você fez, ou sei lá, mandou fazer, que seja cheio de carinho e boas intenções. confia em mim, …

batata-aspargos-2

batata com aspargos crus

essa semana eu resolvi dar uma segurada na comilança e comer só o que eu fizer, em todas as refeições. acontece que o fim de semana foi tenso, teve pastel, cerveja, café da manhã farto, mais cerveja, baldes de carboidrato. acordei segunda me sentindo um barril. então essa semana vai ser suco verde, saladas e mais saladas e muitas frutas e claro, limonada todo dia! :) depois vou colocar aqui mais uma opção de salada no pote, pra gente lembrar que nem toda comida saudável precisa ser triste! e o que essa batata linda tem a ver com a semana detox? nada, ué. mas eu já tava pra postar essa batata há um tempão, e nesse dia lindo de sol com um feriado no meio da semana eu resolvi que teríamos batata! afinal, todo mundo ama batata. nunca vi uma pessoinha olhar e falar: aeerrghh, odeio batata! batata é aquele abracinho, aquele conforto, aquele quentinho no coração. essa batata com aspargos eu aprendi na minha aula que eu não me canso de falar. adaptei a receita um pouco porque o …

arroz-carreteiro-1

arroz de carreteiro

eu comentei aqui que estou lendo o livro cozinhar, uma história natural da transformação, do michael pollan. eu comecei há algumas semanas e estou fascinada. logo na introdução já me apaixonei pelo pollan, que discorre lindamente sobre a importância de cozinhar, as mudanças de hábitos alimentares na vida moderna e a influência de tais hábitos na formação da identidade individual e social. o livro é dividido em 4 capítulos: fogo, água, ar e terra. em cada um ele associa o elemento ao processo de cozimento respectivo. no do fogo, temos um capítulo inteiro sobre assar carne no fogo, recheado de explicações sobre reações químicas e físicas, lendas, simbolismos e a cultura do churrasco. ele vai da reação de maillard a uma lenda oriental sobre a “invenção” do churrasco, passando pela teoria de que aprender a cozinhar os alimentos provocou uma série de mudanças no nosso organismo que permitiram a nossa evolução. agora entrei no capítulo da água, com foco nos cozidos. enfim, é muita coisa pra pensar, refletir e aprender. e depois de um capítulo inteiro lendo sobre churrasco, …

moussedechocolateagua2

mousse de chocolate

esse mês eu encasquetei de fazer uma receita com chocolate. rodei, rodei, rodei e não conseguia me decidir por nada. queria uma receita bem fácil, muito deliciosa, e queria tirar uma foto com uma velinha cravada em cima do doce pra celebrar um ano de blog :) se você vem sempre aqui já sabe que confeitaria e super doces não são muito a minha praia, eu fico mais pro time que faz o prato principal. mas poxa, aniversário, né? tem que ter um docinho, gente!! eis que eu esbarro com essa receita no blog da rita lobo. parecia fácil demais pra ser verdade e eu fiquei bem desconfiada. foi no mesmo dia do fracasso (que depois virou sucesso \o/) da torta aberta. eu estava muito determinada, veja você. depois de todo o episódio da torta eu fui fazer a mousse. assim, meio desanimada, achando que estava fadada a não acertar a mão. mas determinada! fiz a mousse em minutos (muito rápido, se eu fosse você já ia separando a clara da gema!) e deixei na geladeira. …

torta-aberta-abobrinha

torta aberta

eu queria fazer essa receita há meses. tenho um bloquinho que eu vou anotando as receitas que eu quero fazer pra não esquecer depois. e essa torta estava lá, até que essa semana resolvi testar. nos dias anteriores eu estava bem doente, e tudo que eu queria era chegar em casa, fazer a torta, comer uma comida bem quentinha e gostosa e descansar. afinal, o que poderia dar errado? peguei duas receitas (do paladar e do panelinha) que davam para a massa os mesmos ingredientes e quantidades, fiz tudo bonitinho, e quando fui abrir a massa…. cataploft. ops. ??. a massa ficou fina demais, se desmanchou, grudou por tudo. juntei a massa e devolvi pra geladeira. talvez estivesse calor demais e a manteiga estivesse derretendo rápido demais, pensei. uma hora depois, segunda tentativa. fui abrir a massa e ficou fina demais. se eu deixasse mais grossa, não ia haver massa suficiente para cobrir o recheio. joguei a massa fora, guardei o recheio na geladeira, fiz um sanduíche e fui dormir (com fome). dia 2. revi as duas receitas, e …